19:25h • 22 de Agosto de 2019
Alterar Senha
Esqueci minha Senha

Notícias

Campanha Dezembro Laranja

Confira sobre o mês da prevenção ao câncer de pele

14/12/2017

Dezembro é o mês da conscientização sobre o câncer de pele. A APMP e a PROMED apoiam a campanha Dezembro Laranja, que visa alertar sobre os perigos do câncer de pele, e, principalmente, destacar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença.

De acordo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), todos os anos surgem 176 mil casos de câncer da pele, doença de maior incidência no país. 

A campanha Dezembro Laranja promove uma série de iniciativas de conscientização alertando sobre a importância da fotoproteção( proteção contra raios solares prejudiciais a saúde) em suas diferentes formas para a redução dos riscos.

Sobre o Câncer de Pele

O que é?

A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores cutâneos e a maioria dos casos está associada à exposição excessiva ao sol ou ao uso de câmaras de bronzeamento artificial.

Tipos de câncer de pele

Os tipos mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Além dos carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele.

Carcinoma Basocelular (CBC)

É o mais comum dentre todos os tipos de câncer, pouco agressivo, não se espalha a distancia pelo corpo (metástases) e pode ser curado em caso de detecção precoce.

Carcinoma Espinocelular (CEC)

É o segundo mais comum dentre todos os tipos de câncer. Pode se desenvolver em todas as partes da pele, com maior frequência nas áreas expostas ao sol, como a orelha, o rosto, o couro cabeludo e o pescoço.

Melanoma

Tipo menos frequente dentre todos os cânceres da pele, é o mais agressivo, desenvolve metástases em qualquer lugar do corpo, tem o pior prognóstico e maior índice de mortalidade. Quando esse tipo de câncer é detectado precocemente, as chances de cura são de mais de 90%. 

Sintomas

A lesão maligna de pele geralmente é rósea, avermelhada ou escura, e apresenta crescimento lento, mas progressivo. Também pode ter o aspecto de ferida que não cicatriza, ou de pintas ou nevos que crescem devagar, mas que coçam, sangram ou apresentam alterações de cor, consistência e tamanho (geralmente os melanomas são maiores que 6 mm, cores diferentes, bordas irregulares e são assimétricas). 

O importante é procurar um médico especializado sempre que houver uma lesão nova ou quando uma lesão antiga sofrer algum tipo de modificação.

Diagnóstico

O diagnóstico leva em conta o aspecto clínico da lesão, sua coloração e forma e o resultado da biópsia dos tecidos da própria lesão e dos que estão ao seu redor.

O dermatologista pode utilizar ferramentas, como o dermatoscópio e fazer a biópsia para um diagnóstico final detalhado dp tipo de lesão se é benigna ou se é maligna, qual dos tipos  se trata.

Previna-se!

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda as seguintes medidas de proteção:

- Usar chapéus, camisetas e protetores solares com fator de proteção solar (FPS) acima de 30 nas partes expostas ao sol, que proteja contra radiação UVA e UVB, reaplicá-lo a cada duas horas nas atividades de lazer ao ar livre e no dia-a-dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço;

- Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16h (horário de verão);

- Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material;

- Não utilizar câmaras de bronzeamento artificial;

- Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas;

- Manter bebês e crianças protegidos do sol (filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses);

-Fazer um autoexame de pele regularmente e observar se há alguma mancha, lesão, ferida, sinal ou pinta nova ou que apresente alguma modificação. Não se esquecer de examinar também a palma das mãos, os vãos entre os dedos, a sola dos pés e o couro cabeludo;

- Evitar as queimaduras de sol, principalmente durante a infância e a adolescência, fase em que as pessoas costumam expor-se mais ao sol;

- Consultar um dermatologista uma vez ao ano para um exame completo da pele, principalmente em casos de pessoas com pele clara ou com histórico de câncer de pele na família.

Tratamentos

O tratamento escolhido varia de acordo com o tipo e a extensão do câncer de pele. Quanto mais precoce o diagnóstico, maior a taxa de sobrevida nos casos de melanoma e menos danos serão causados nas áreas expostas do corpo. Conheça alguns procedimentos para o tratamento:

- Cirurgia a laser;

- Cirurgia excisional;

- Cirurgia Micrográfica de Mohs;

- Criocirurgia;

- Curetagem e eletrodissecção;

- Terapia Fotodinâmica (PDT).

Além das modalidades cirúrgicas, a radioterapia, a quimioterapia, a imunoterapia e as medicações tópicas imunoterápicas são outras opções de tratamento para os carcinomas.

 

Fonte:

http://www.sbd.org.br/dermatologia/acoes-campanhas/dezembrolaranja/

https://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/cancer-de-pele/

http://www.sbd.org.br/

http://www.sbd.org.br/controleOsol/sobre/